sexta-feira, 9 de março de 2018

Resenha: Bronzer Hoola da Benefit



Aqui no blog não tem muitas resenhas de produtos de beleza, mas no inicio do ano comprei na Sephora algumas maquiagens novas (bronzer+paleta de sombras), então achei legal fazer um post com minha opinião sobre esses produtos.

Como eu já expliquei na resenha da base Matchmaster, eu não sou uma pessoa que é muito fã de desperdiçar dinheiro com maquiagem caras, pois quase não uso e por conta disso me dói quando tenho que gastar muito com isso. Mas, fazia algum tempo que queria aprender a usar aquelas técnicas de contorno, só que eu queria encontrar algum bronzer que não ficasse laranja no meu rosto - isso acontece com muita facilidade - e fosse mais suave.


Sempre li comentários positivos sobre o Bronzer Hoola da Benefit, mas por ele ter um preço um pouco salgado eu estava com receio de comprar e não gostar. Eis que eu estava navegando pela Sephora, meu objetivo era apenas repor minha base - que durou quase 3 anos - e eu vi que tinha a versão miniatura desse produto e era a metade do preço full sized. Então em um momento de impulso, coloquei o bronze no carrinho e fiquei aguardando ansiosamente ele chegar para testar.


A textura do bronzer é pigmentada e dura bastante na pele, por isso tem que ter um pouco de cuidado na hora de dosar a quantidade certa para não ficar muito marcado. O tom dele é de um marrom médio suave com um fundo meio caramelo, ele é um tom quente ideal. Também tem a versão lite que é mais clara, mas resolvi comprar essa versão tradicional para usar menos produto. Prefiro construir camadas para ficar mais sutil.


O bronzer veio com esse pincel aplicador que é bem legal de se usar, mas acabei perdendo o meu pela casa haha


Esqueci de fazer uma foto mais próxima do pó :/



Lightly blush this soft matte bronzing powder across cheek bones and forehead or anywhere you'd love to look tan.
INGREDIENTS: talc, iron oxides (CI77491CI77492CI77499), zinc stearate, ethylhexyl palmitate, titanium dioxide (CI77891), dimethicone, manganese violet (CI77742), methylparaben, sodium dehydroacetate, boron nitride, propylparaben, butylparaben. N° 3N5276

A textura do Bronzer é bem fina, mas ele não faz sujeira quando tu vai aplicar o que é um ponto positivo. Ele é de um tom bem suave como vocês podem ver na foto acima (só abrir a foto numa nova guia para aproximar ou clicar aqui). Algo que sempre quis ter era aquelas maças definidas, só que não tenho muita maça e nem bochecha, então sinto que é tudo reto ali e queria esconder um pouco o meu maxilar para ter mais "maças". Acho que com esse bronzer eu consegui chegar bem próximo do que queria.

Óbvio que caprichei um pouco na quantidade do bronzer para fazer as fotos e assim mostrar mais o efeito dele, mas dá para aplicar menos produto :)


Como já tinha falado, comprei a versão mini que se encaixava melhor na minha situação, paguei 80 reais e ele tem 4g que é a metade do valor e quantidade da versão full sized. E aqui esta o link do site da Sephora se vocês quiserem dar uma olhada :)

Espero que essa resenha ajude vocês se estiverem na dúvida se devem ou não comprar o bendito bronzer, semana que vem vou tentar fazer as fotos da paleta de sombra - ela já está suja de tanto que estou usando haha. Mas, iria ficar super feliz se vocês indicassem outros bronzers legais, gostaria muito de experimentar outros bronzer que funcionem comigo e se for barato/bom vai ser melhor ainda hahah

domingo, 25 de fevereiro de 2018

Uma tarde na Casa de Cultura Mario Quintana

Porto Alegre, RS, Brasil
Já faz algum tempo que fiz essas fotos, pra ser mais precisa foi final do ano passado. Um dos lugares que mais amo aqui em Porto Alegre é a Casa de Cultura Mario Quintana. Esse lugar ocupa um grande espaço no meu coração e por conta disso queria trazer um pouquinho dele para o blog, mesmo que fosse através de fotos. Então convidei uma amiga para visitar a CCMQ e fazer algumas fotos do local.    Nesse dia, estava acontecendo um Mercado Vintage, onde estava reunido dezenas de brechós especializados em vintage, discos, livros, food truck, comidinhas veganas, e cervejarias artesanais. Gostaria de ter feito varias fotos, mas estava lotado e meio difícil de se espremer para fazer fotos. Na próxima tento fazer algumas bem legais :)- casa de cultura mario quintana- mad souls blog

Um dos lugares que mais amo aqui em Porto Alegre é a Casa de Cultura Mario Quintana. Esse lugar ocupa um grande espaço no meu coração e por conta disso queria trazer um pouquinho dele para o blog, mesmo que fosse através de fotos. Então convidei uma amiga para visitar a CCMQ e fazer algumas fotos do local.

Nesse dia, estava acontecendo um Mercado Vintage, onde estava reunido dezenas de brechós especializados em vintage, discos, livros, food truck, comidinhas veganas, e cervejarias artesanais. Gostaria de ter feito varias fotos, mas estava lotado e meio difícil de se espremer para fazer fotos. Na próxima tento fazer algumas bem legais :)


A CCMQ já foi um famoso hotel luxuoso da década de 1920. Durante o seu auge, o Hotel Majestic teve como hóspedes grandes nomes da política e do mundo artístico. Em 1980 o Hotel Majestic veio a ser comprado pelo Banrisul (é um banco estadual gaúcho). Dois anos depois o governo do Estado adquiriu ele do Banrisul e, um ano mais tarde ele virou um patrimônio histórico.

A CCMQ foi nomeada em homenagem a um dos maiores poetas brasileiros, Mário Quintana, que é natural de Alegrete mas que adotou Porto Alegre como sua cidade de coração. Ele viveu no hotel entre 1968 e 1980, no apartamento 217.







A Casa de Cultura Mario Quintana conta com 7 andares (não tenho 100% de certeza, mas acho que não me perdi nas contas hehe) que abriga diversas atrações. A CCMQ tem espaço para exposições, oficinas, salas de cinema, biblioteca, também tem uma área com o quarto do poeta e varias outras coisas. Ahhh quase que esqueci, nela também tem um laboratório fotográfico que obviamente não poderia deixar de comentar né?



Vista da passarela de vidro pelo lado de fora.



Obviamente não poderia faltar uma foto da minha Zenit. Meu objetivo nesse dia era gastar o filme que ainda estava na câmera, mas não consegui dar conta mais uma vez. Até chega a ser um pouco irônico essa situação, com minha câmera digital eu consigo fazer centenas de fotos, mas com a analógica não consigo gastar as 36 poses.

Mas, provavelmente seja por eu usar a digital também. Então eu nunca acho alguma cena que seja digna de gastar uma das poses e ao invés uso a digital. Aí eu gasto umas 10 fotos no máximo com o filme.


Por conta dos óculos fica bem difícil fazer fotos com a analógica, demoro muito até ter certeza que o foco está okay. Espero que nesse ano consiga começar a usar lentes de contato, isso vai tornar muito mais fácil a minha vida haha



E essa sou eu tentando fazer uma foto descente, nem lembro que fotos fiz nesse dia, mas estou bem ansiosa para terminar esse rolo e assim descobrir. As fotos em que apareço foi a minha amiga que fez enquanto estava focada em fazer as fotos do prédio e do Jardim. Esse lugar em que estou é o Jardim Lutzenberger que fica no 5 andar que é o meu lugar favorito na CCMQ.

O jardim também é uma homenagem, mas ao ambientalista gaúcho Lutzenberger que era um grande defensor das paisagens naturais.


A maniaca dos cactos e suculentas atacando mais uma vez, mas é que eu não consigo evitar. Meu sonho é um dia ter um cactario na minha casa hahah


Tentando fotografar o topo do Majestic.




Me diz alguma coisa neste lugar que não seja lindo? Eu acho tão encantador essas banheiras vintages com plantas dentro (além da CCMQ ser toda rosa, ter vários cactos, suculentas e uma vista incrível de uma parte da cidade, embora poderia ser melhor essa vista se algumas partes não tivessem bloqueadas).






Outro lugar que amo é essas janelas gigantes e a vista que elas tem do resto da CCMQ.


Espero que vocês tenham gostado de conhecer um pouquinho desse lugar que amo aqui em Porto Alegre através dessas fotos e post. Se você estiver de passagem por aqui em algum momento no futuro, não deixe de visitar a CCMQ, é um dos lugares mais fofos em POA. Aqui está o site da Casa de Cultura que explica um pouco mais sobre o local e o que ele oferece.

Agora gostaria de saber a opinião de vocês sobre esse tipo de post, se vocês iriam gostar que eu trouxesse esse tipo de conteúdo para cá. Se vocês gostarem eu posso trazer outros lugares daqui de Porto Alegre que eu gosto muito nesse mesmo formato de post.

P.s. Espero que não tenham se cansado com a quantidade de fotos que apareceu no post, juro que cortei pela metade as fotos que tinha feito nesse dia.

sábado, 17 de fevereiro de 2018

Séries para maratonar nesse final de semana

Na maioria das vezes eu sou uma pessoa que costuma passar a maior parte do final de semana lendo livros (bookworm), sempre gostei da possibilidade que o livro trás, onde conseguimos obter muito mais detalhes ou nuances de uma história do que conseguiríamos em um filme ou série. Na maioria dos casos isso faz com que uma adaptação de um livro para as telas não agrade todos, até porque no livro temos 500 paginas (dependendo do livro né), já filmes e séries são poucas horas para que toda a história de um livro seja introduzida na tela.

E é aí que entra o motivo para esse post existir (poderia ser um post sobre adaptações ruins, mas não é hahahaha). Por não ter um costume de assistir séries, acabo  ficando um pouco desatualizada e boiando quando algum amigo fala sobre série X, então gostaria de usar esse final de semana para maratonar varias delas. Aí fiz uma listinha de séries novas, algumas eu até já assisti, mas estou querendo rever.

p.s: me desculpe por essa introdução ruim, mas eu acabei perdendo todo esse post e tive que refazer do zero e nem lembrava o que tinha escrito :/

- DARK -

A série dark conta a história de quatro famílias que vivem em uma pequena cidade alemã. Suas vidas pacatas são completamente atormentadas quando duas crianças desaparecem misteriosamente e os segredos obscuros das suas famílias começam a ser desvendados.

Essa série foi uma das melhores que assisti no ano passado, juro que ela me deu (e em todos que assistem) um nó na cabeça logo nos primeiros episódios. Mas, depois de algum tempo comecei a prestar atenção em alguns detalhes e entender um pouco mais. Ela aborda teoria do caos, dobras no espaço-tempo, buracos de minhoca e é por isso que a série fica um pouco complicada de entender.  

Lembro que na época em que dar foi lançado, muitas pessoas não gostaram dela por achar que ela era um pouco "lerda" ou "fria", mas essa não é uma série estadunidense (que estamos acostumados a assistir) e sim alemã, normalmente filmes/séries de lá são assim mesmo. Sempre gostei de filmes alemães e poloneses (longa história, também não quero fazer um post longo haha) então não senti uma diferença sobre como a história foi abordada e preferi assistir em alemão. Uma dica que eu posso dar para quem assistir essa série é entrar em um grupo do Facebook que fale sobre a série, é muito louco como um milhão de teorias são criadas lá hahahah


- THE END OF THE F***ING WORLD -

Eu fiquei sabendo da existência dessa série, por conta das inúmeras fotos que vi no We Heart (sim, eu ainda uso). Eu fiquei super apaixonada pelas fotografias, paletas de cores usadas nelas e as roupas deles, então como sempre, tentei pesquisar de onde tinha surgido aquelas fotos e eis que me deparo com essa série incrível.

Ela é uma série britânica dramática de humor negro (amo filmes e séries assim) que é baseada em um quadrinho chamado The end of the f***ing world, criado por Charles Forsman. Essa série conta a história de James (Alex Lawther) e Alyssa (Jessica Barden), que são dois adolescentes incomuns que não entendem onde eles podem se encaixar no mundo. James se considera um psicopata incapaz de sentir qualquer sentimento, enquanto Alyssa é temperamental, impulsiva, rebelde e não gosta das pessoas com quem convive incluindo sua mãe e seu padrasto. Os dois acabam se unindo por cada um achar que ambos são a resposta para os seus problemas, o que pode parecer uma história boba e comum, mas não é bem assim. Entre invasões, um assassinato e fugas, começamos a entender um pouco mais o motivo de cada personagem ser daquela maneira.

Depois que terminei a série fiquei super ansiosa pela segunda temporada </3

- LA CASA DE PAPEL -

La casa de papel é uma série espanhola, que conta a história de oito habilidosos ladrões se trancam na Casa da Moeda da Espanha com o ambicioso plano de realizar o maior roubo da história e levar com eles mais de 2 bilhões de euros. Para isso, a gangue precisa lidar com as dezenas de pessoas que manteve como refém, além dos agentes da força de elite da polícia, que farão de tudo para que a investida dos criminosos fracasse.

Essa é uma série que só vi um episódio, pra ser sincera eu só assisti até a parte em que o professor explica as regras de como tudo deveria ser para que o roubo desse certo. Então parei quando estavam escolhendo os nomes das cidades que cada um dos ladrões se chamariam. Então eu estou super ansiosa para entender o motivo de todos estarem gostando dela, espero não me decepcionar.

- ALTERED  CARBON -

No futuro, a sociedade se acostumou à prática da troca de corpos: após armazenar a consciência de uma pessoa, ela pode ser transferida a outra "capa", podendo viver várias vidas. O mercenário Takeshi Kovacs (Joel Kinnaman) acorda após 250 anos em outro corpo. Além de se adaptar a esta situação e à nova sociedade, ele é contratado por um homem riquíssimo para descobrir o autor de seu próprio assassinato. Tak conta com a ajuda de uma policial mexicana, um ex-militar tentando ajudar sua filha e um robô equipado com inteligência artificial.

Altered Carbon é baseado no livro com o mesmo nome que foi escrito pelo autor Richard K. Morgan. O tema da série é ciberpunk, que eu costumo amar, mas ainda não assisti essa série então não sou capaz de opinar sobre ela. Mas, para quem gosta de séries ciberpunk também tem a serie Mute que pelo trailer e sinopse deve ser bem legal, ela vai ser lançada no final do mês pela netflix. O elenco conta com Alexander Skarsgård (um dos irmãos Skarsgård <3) e Paul Rudd (nosso homem-formiga).

- EVERYTHING SUCKS! -

Essa série se passa em Oregon, 1996. Na escola de Boring, Kate Messner (Peyton Kennedy) e Luke O’Neil (Jahi Winston) são dois alunos que sabem muito bem o que é passar pelos dramas do colégio, mas não os únicos, já que todos os membros do clube de teatro e de vídeo sentem o mesmo desespero. Sem internet ou smatphones, essa turminha decide, então, produzir um filme para registrar todos os dramas do ensino médio.

Everything Sucks não é uma série que normalmente teria o costume de assistir, mas algumas seanas atrás assisti o trailer e li um post sobre ela. O fato dela se passar em 1996 o ano em que nasci foi o que me fez maratonar a série em poucas horas. Algo que achei interessante foi notar que algumas "modas" em 96 ainda existiam na época em que comecei a escola (2004), como aquela pulseira de plastico que batia no pulso e se enrola (me sentindo velha nesse momento, eu tive umas trocentas delas) se você não entendeu o que é, clique aqui. Se você curte séries de dramas adolescentes que se passam em uma escola, Everything Sucks é para você. Terminei essa série só por conta da minha grande curiosidade (não consigo deixar séries pela metade mesmo que odeie) queria ver se esperançosamente iria aparecer alguma coisa (zumbi, monstro, doença terminal ou qualquer coisa valida que me fizesse gostar da série) estilo stranger things, mas no terceiro episódio percebi que ia ser aquilo mesmo e não ira acontecer hahah.

E são essas séries que gostaria de indicar, tentei incluir séries para todos os gostos. Até teria outras para indicar como: The alienist, BritanniaBlack Lightning e tantas outras, mas o post ficaria gigante. 

E vocês? Qual dessas séries você já assistiu? Gostaria de indicar alguma? É só deixar sua opinião nos comentários, pois vou amar ler :)

domingo, 28 de janeiro de 2018

Primeiro aniversário do blog + Novo layout


Parece que foi ontem que decidi depois de muito procrastinar finalmente fazer um blog. Essa semana o Mad Souls fez um ano de existência, o que é algo bastante significativo para mim. Nesses 21 anos, já tive varias tentativas fracassadas com blogs, mas esse está sendo diferente (eu acho né?). Eu queria tentar manter ele por mais que alguns meses, o que seria algo raro para mim. Esse blog foi criado como uma meta para ser concluída em 2017, mesmo não estando tão presente por aqui eu adorei a experiencia e decidi continuar com ele.


Como vocês podem ver, mudei o layout e comprei um domínio. Tentei deixar o blog organizado, atualizei varias abas do topo ( na verdade eu ainda estou trabalhando nisso) e tentei fazer com que o layout dele refletisse um pouco da minha personalidade. Passei dezembro inteiro tentando personalizar da minha maneira tudo aqui e peço desculpas aos meus amigos pelo tempo que importunei perguntando se estava legal ou qual jeito ficou melhor hahaha.

Em breve vou atualizar as abas de "sobre", "contato" e "blogroll". Na verdade estou super empolgada para indicar os blogs que admiro muito, pois cada um é super importante para mim de alguma maneira 💕


Esse post vai ser mais curto que o normal, pois só não queria deixar essa data em branco e gostaria também de mostrar as mudanças do blog. Na verdade esse post teve mais foto do que texto, me desculpem, mas eu não sabia escolher uma delas para ilustrar o post heheh.

Espero que vocês tenham gostado da carinha nova do Mad Souls, pois a opinião de vocês é super importante. Iria amar se vocês deixassem um comentário sobre o que acharam de tudo isso💕
Mad Souls © 2017 - . Por Karina Fagundes.