terça-feira, 13 de agosto de 2019

BEDA #13 - Minha evolução fotográfica


O Dia Mundial da Fotografia é no dia 19 e estava pensando em fazer um post especial já que 99% do meu blog é sobre fotografia. Ainda não sei muito bem que tipo de post vou fazer, das poucas ideias que tive, uma era pedir para outras pessoas me enviarem suas melhores fotos e indicar elas aqui no blog ou fazer um post falando sobre minhas inspirações para fotografar. Pensando nisso surgiu uma outra ideia e esse post foi criado a partir de tudo isso. Estou com um pouco de vergonha das minhas fotos antigas, mas estamos aqui para passar vergonha mesmo.


Desde pequena sempre fui muito apaixonada pela fotografia, gostava de fotografar e ser fotografada. Como o filme analógico era caro, meus pais me deixavam usar bem pouco as câmeras que tínhamos. Depois que começou a era digital, meu pai deu de presente pra minha mãe uma compacta digital e deixou as analógicas para mim.

Mas, com o tempo, passei a usar todas as câmeras - coitados dos meus pais que não podiam usar, pois quase 90% do tempo estava na minha mão - e fazia foto de qualquer coisa que conseguisse ver pela frente. Sempre fui adepta ao Do it Yourself - G-zuis - então quando vi os fotógrafos incríveis que existiam no flickr e lomography, decidi que queria fazer fotos iguais. Eu era uma criança, então na minha cabeça não existia se inspirar e sim copiar na lata KKK


Com o tempo fui buscar inspirações em outros lugares, me inspirei em filmes, musicas e o meu cotidiano na cidade onde moro. Não tenho fotos muito antigas, pois já destruí vários computadores desde então, só consegui pegar as mais antigas da minha conta do flickr. A minha primeira conta do flickr foi excluída alguns anos atrás quando ocorreu uma mudança no flickr.

Todas as fotos que estão nesse post, foram feitas com meus celulares antigos, câmeras analógicas e as ultimas três foram feitas com a minha câmera atual.

Lista de aparelhos utilizados para ficar mais fácil de entender:
*Celular Samsung GT-S5830C
*Câmera Kodak Easyshare c613 (compacta digital)
*Câmera Fujifilm S8400w (semi profissional)
*Nikon Fm2 (slr que durou pouco)
*Yashica EZ Mate (câmera analógica saboneteira)
*Kodak Instamatic 177x (câmera analógica)
*Canon EOS Rebel T5 (minha câmera digital atual)

Além dessas eu tive outras analógicas, mas essas que citei foram as que usei para fazer essas fotos.


Depois de algum tempo fazendo fotos das ruas da minha cidade e paisagens, comecei a tentar fazer alguns autorretratos. Mas, no inicio foi bem difícil, não tinha tripé e aí tinha que usar a criatividade para inventar gambiarras. Usei livros, amarrei a alça da câmera em alguma arvore ou haste que tivesse no local - muito perigoso, não tente isso, pois é queda na certa, mas como estava bem próxima da câmera, estava sempre preparada para a pegar se caísse e deixava a bolsa embaixo dela.

Quando comecei a fotografar só por passatempo, não colocava muita fé e era bem negativa em relação as minhas fotos. Quando estava quase desistindo da fotografia na minha adolescência, voltei a conversar com um amigo de infância que não morava mais na minha cidade e foi ele quem acabou me incentivando, pois ele tinha a mesma paixão pela fotografia. Mesmo minhas fotos sendo horrorosas, ele sempre estava elogiando e isso que me ajudou a prosseguir, mesmo frustrada.


Depois de algum tempo fui sentindo que estava conseguindo capturar a foto da maneira que queria, mas o problema era a pós edição. Desde pequena gostava de mexer no PS e quando lançou o LR me vi meio perdida. Eu queria que as cores das minhas fotos se aproximassem das dos filmes analógicos e eu não conseguia. E quando me aproximava, a qualidade da foto ficava muito ruim.


Eu queria que minhas fotos fossem mais geladas como os filmes da Ultramax 400, então tentava fotografar na Blue hour para me ajudar na edição. Passei incontáveis horas na frente do computador tentando criar vários presets e nenhum me deixava feliz. Com o tempo passei a odiar minhas fotos, pois elas não se aproximavam em nada do que imaginava na hora de clicar com a digital.

Quase desisti da digital, mas as analógicas tem um investimento mais salgado e eu sou aquela pessoa que faz 300 clicks em poucas horas. Dei outra chance para as câmeras digitais e passei a fotografar ainda mais e na hora de editar, tentei sair da zona de conforto e apenas mexer as configurações de maneira aleatória sem ter algo em mente.






Nessa foto acima foi quando consegui pela primeira vez ficar feliz com a maneira que uma foto saiu. Lembro de ter ficado super feliz por ter conseguido passar as cores e clima que estava sentindo nesse dia. Depois disso começou a ficar mais fácil e vi que a culpa pelas fotos estarem saindo ruins era apenas que não tinha pratica e é com tentativa e erro que as coisas fluem.

Continuei editando as fotos com essas cores frias por mais alguns anos, até que tive de fazer fotos inspiradas no outono e elas deveriam sair mais quentes. Foi bem difícil, mas com o tempo comecei a gostar e achar um meio termo entre quente (amarelão) e as cores neutras.





É bem legal ver que com persistência, você pode evoluir bastante na sua fotografia - ou qualquer outra área - e isso só depende de você e não do seu equipamento. Você não precisa a ultima câmera que foi lançada no mercado, apenas precisa ter persistência e aprender o que funciona para você. Logo que comprei a minha primeira semi profissional da Fuji, achei que ia tirar fotos melhores, mas não foi assim. Elas continuaram as mesmas por um bom tempo, até que aprendi a mexer na câmera. Com a Canon foi a mesma coisa, quando comprei as fotos eram de baixa qualidade, mas por não saber arrumar a velocidade/obturador/tempo de exposição e também não conseguia me manter firme quando tinha pouca luz. Com o tempo aprendi o que funciona para mim e depois de mais algum tempo aprendi o que funcionava na minha edição e esse faz todo o diferencial.

Já tive fotógrafos gringos - que faziam eventos grandes nos seus países - que iam no meu flickr e pediam para mim vender meu preset para eles. No e-mail eles afirmavam que gostavam das minhas fotos, edição e que eu estava fotografando com uma Canon 5D Mark III - quem me dera - o que só ilustra o que falei. Espero que esse post não tenha sido meio chato e que as minhas fotos ruins tenham servido de incentivo para alguém. Essas fotos são de 2012-2018 e a primeira do post foi feita com a Nikon Fm2 quando funcionava KKK

E sobre a ideia do inicio do post e você quiser participar no post do dia 19, mande um e-mail para mim com sua melhor foto - pode ser paisagem ou o que tu julgar ser a sua melhor - com suas redes sociais para indicar e se eu tiver fotos o suficiente posso fazer esse post acontecer.

O meu e-mail é o kah.locatelli@hotmail.com

2 comentários so far

  1. Que demais Karina! Adorei saber um pouco mais sobre como a fotografia entrou na sua vida. Mas... achei todas as fotos ótimas. Acho que você sempre teve "o olhar" pra foto. Tem gente que já nasce assim hehe

    E eu também tenho MUITA dificuldade com a edição. Mas diferentemente de você, eu não sei como eu quero que as minhas fotos fiquem. Aliás, cada dia tenho um ideia diferente rs

    ResponderExcluir
  2. Oi Karina, tudo bem?
    É a primeira vez que venho aqui, e a postagem que me chamou a atenção de cara foi justamente essa. é interessante perceber nas fotografias o seu olhar, e pra ser sincera achei suas fotos maravilhosas. Acredito que todos nos vamos engatinhando até andar e correr, independente da área de conhecimento. Esse progresso é o que ilustra o nosso amor por algo. Achei sua iniciativa maravilhosa, e vou tentar enviar alguma foto minha. Não sou muito conhecedora, mas tendo dar o melhor e sempre conhecer um pouco mais.
    Abraços,
    Ava
    https://apenasava.com/

    ResponderExcluir

Mad Souls © 2017 - . Por Karina Fagundes.